Child on potty play with toilet paper, isolated over white

Constipação Intestinal em Pediatria: como reconhecer

O que é a constipação intestinal em pediatria?

É a ocorrência de qualquer uma das seguintes manifestações, ainda que a evacuação seja diária

 

  1. eliminação de fezes duras, em forma de cíbalos (fezes duras e pequenas, em forma de vírgula), seixos ou de fezes cilíndricas com rachaduras
  2.  Dificuldade ou dor para evacuar
  3. Eliminação de fezes que esporadicamente podem entupir o vaso sanitário
  4. Frequência de evacuação < 3 vezes na semana (exceto para os bebês em aleitamento materno exclusivo)

No caso da constipação crônica (duração superior a duas semanas), a presença isolada de qualquer dos seguintes pode ser sugestiva do diagnóstico:

  1. Escape fecal
  2. Dor abdominal recorrente
  3. Sensação de esvaziamento retal incompleto referido em crianças maiores

 

Quais são os fatores de risco associados à constipação intestinal?

  • Fatores Hereditários, sendo particularmente lembrada em lactentes que apresentam constipação desde os primeiros meses de vida.
  • Fatores alimentares, como aleitamento artificial (aleitamento materno é um fator protetor para adequado funcionamento intestinal), presença de alergia à proteína do leite de vaca, dieta pobre em fibra alimentar.
  • Evacuações dolorosas gerando comportamento retentivo
  • Fatores Emocionais como causa ou consequência da constipação
  • Alteração da motilidade intestinal

 

Podem ocorrer outras manifestações clínicas associadas à constipação intestinal?

Sim, em casos complicados e crônicos sem tratamento podem ocorrer vômitos, sangue nas fezes, infecção urinária de repetição, retenção urinária e enurese (quando a criança não consegue segurar a urina quando pela idade já deveria).

Pode também ocorrer inapetência nos casos em que a criança apresenta cólicas ou desconforto abdominal durante a refeição, em decorrência do reflexo gastrocólico que pode ocorrer durante a alimentação. Nesses casos, a criança evita comer para não sentir esse desconforto.

Também nos casos de constipação crônica, podem ocorrer escapes fecais de grande volume, que os pais caracterizam erroneamente como diarreia. É muito comum nessas crianças fezes constipadas intercaladas com episódios de diarreia volumosa, devendo, nesses casos, sempre ser avaliadas por médico.

 

Como é feito o diagnóstico da constipação intestinal?

O diagnóstico, na maioria das vezes, é possível com a entrevista médica, complementada com a palpação abdominal.

Em alguns casos, de acordo com a história clínica apresentada pelos pais, são necessários exames suplementares para avaliação de outros diagnósticos.

 

Existe tratamento para a constipação intestinal?

Sim, o tratamento varia de acordo com a idade, a alimentação da criança e a gravidade do quadro.

Como medidas gerais, é de extrema importância que seja oferecido para a criança água várias vezes ao dia. A quantidade de água ingerida interfere na hidratação fecal.

Além disso, é muito importante estabelecer a rotina de sentar com a criança no vaso após as grandes refeições ( café da manhã, almoço e jantar) por pelo menos 5 minutos. Para as crianças pequenas é imprescindível o redutor de assento, assim como apoio para os pés, de tal modo que coxa e perna formam ângulo de 90 graus entre si. Esse cuidado é de fato muito importante para que a criança tenha segurança e suporte para fazer a força necessária para evacuação, sem medo.

 

Fibras alimentares: quanto maior o consumo de fibras, melhor será para a formação do bolo fecal, contudo, esse aumento da ingesta deve ser acompanhado de uma maior ingestão de água.

Alimentos ricos em fibras são o feijão, ervilha, grão de bico, lentilha, coco, ameixa preta, frutas preferencialmente com casca e bagaço, milho, verduras, pipoca, aveia em flocos e farelo de trigo. Atenção para o risco de aspiração em faixas etárias menores para pipoca,  e milho, sendo portanto não indicados para os pequenos. Os demais alimentos podem ser amassados para as faixas etárias menores.

Como a aceitação do farelo de trigo e da aveia nem sempre serem boas, pode-se de substituir com farelos e cereais integrais ⅓ da receita das farinhas para bolos, pães, massas, melhorando, dessa forma, a aceitação.

O farelo de trigo deve ser torrado e peneirado para melhor tolerância e pode ser misturados a alimentos como o feijão.

 

Existe remédio para a constipação intestinal?

Sim. O pediatra geral ou o gastroenterologista pediátrico podem prescrever medicações de acordo com cada caso e faixa etária. No entanto, as medidas gerais expostas acima devem ser sempre utilizadas como tratamento concomitante ao tratamento medicamentoso.

 

Espero ter ajudado e até o próximo assunto!!

Um grande abraço!!

O que deseja encontrar?

Compartilhe