refluxo em bebês

Refluxo em bebês: como identificar e tratar

O refluxo em bebês é uma queixa super comum no consultório pediátrico. É mais prevalente nos primeiros 6 meses, quando a dieta é predominantemente láctea.

Com a introdução alimentar e o aumento da consistência dos alimentos, aliado a um amadurecimento do sistema digestivo do bebê, o sintoma vai progressivamente reduzindo, até que desaparece.

O que é o refluxo em bebês?

O refluxo é caracterizado pelo retorno do conteúdo existente no estômago para o esôfago, podendo ser acompanhado de regurgitações. 

Ao ser ingerido, o leite materno entra pela boca e, após passar pela faringe e pelo esôfago, atinge o estômago.

Há, entre o esôfago e o estômago, alguns mecanismos para evitar que o conteúdo gástrico volte para o esôfago. São barreiras anatômicas que atingem um perfeito funcionamento à medida que o bebê envelhece. 

Por que o refluxo em bebês é comum?

Como as barreiras anatômicas ainda não estão maduras e a dieta do bebê é líquida, o retorno de conteúdo gástrico para o esôfago é absolutamente comum.

Como identificar o refluxo?

O sintoma mais claro para identificar o refluxo é a regurgitação, caracterizada pela presença de leite na cavidade oral. No entanto, a regurgitação pode vir associada a outros sinais e sintomas, diferenciando os quadros entre fisiológico ou patológico. Deixo link de artigo que diferencia os dois tipos abaixo:

http://draleticiarubim.com.br/refluxo-fisiologico-e-patologico/

Nesse link abordo quais são esses sintomas que podem ocorrer e o que devemos considerar ou não como normal.

Tem tratamento?

O refluxo fisiológico não demanda tratamento. 

O refluxo patológico que ocorre na Doença do Refluxo gastroesofágico demanda cuidados especiais, e pode haver indicação de uso de medicamento. Naturalmente, o tratamento é individualizado e deve ser conduzido idealmente por gastroenterologista pediátrico.

Algumas dicas genéricas, no entanto, são válidas para qualquer bebê.

Independente de amamentação ao seio ou via mamadeira, é importante verticalizar o bebê após cada mamada. Caso ele tenha ingerido ar no momento da dieta, arrotar vai esvaziar o estômago, trazendo alívio instantâneo. Um estômago mais vazio gera menos pressão de retorno do leite para o esôfago. Mas atenção, se o seu bebê não engoliu ar ele não vai arrotar. Ou seja: arrotar não é obrigatório.

Evite balançar o bebê ou fazer movimentos bruscos após as mamadas.

Se a troca de fraldas for realizada após a amamentação, realize em local com cabeceira elevada. Isso ajudará a reduzir as regurgitações.

Procure o seu pediatra ou um gastropediatra se sinais de alerta aparecerem (leia o artigo no link).

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como pediatra em Nova Lima!

O que deseja encontrar?

Compartilhe