Repelentes em Gestantes e Crianças

O assunto de hoje é uso de repelentes nas crianças e gestantes.

Todo o cuidado é pouco, pois, além de microcefalia, agora já foi comprovada uma maior associação entre o Zika vírus e a síndrome de Guillain Barré em crianças.

Como o vetor da Dengue, Zika e Chikungunya é o mesmo, o mosquito Aedes Aegypti, o cuidado vale para as três doenças.

O cuidado com criadouros é essencial para eliminação de focos.

Espero conseguir esclarecer todas as dúvidas…

 

O mosquito do Zika

O mosquito Aedes, vetor da doença, tem algumas características peculiares, como o fato de as fêmeas picarem em horários específicos, como o início da manhã e final de tarde( nascer e por do sol). Podem picar também à noite, dependendo da luminosidade.  Por esse motivos, esses horários são os principais para se proteger contra eles.

 

Como se proteger

Medidas mecânicas de proteção como mangas longas e calças compridas são parcialmente eficazes, mas devem ser utilizadas, sobretudo nas gestantes.

Repelentes de parede são muito úteis, contudo, devem ficar a 2 metros de distância de berço e camas. Cuidado com ingestão acidental durante o dia, retire-os assim que a criança puder entrar em contato.

Em relação ao uso de repelentes, seguem algumas dicas:

Não durma com o repelente, lave o corpo com água e sabão antes de dormir. Não aplique próximo a boca e olhos, assim como em feridas. Não compre associações de repelentes com filtro solar (o filtro reduz eficácia do protetor). Aplique o filtro e aguarde 20 minutos para aplicar o repelente. Loção cremosa é mais segura em crianças do que spray. É o adulto que aplica na criança e o repelente nunca deve ser aplicado nas mãos. Se suor excessivo ou calor intenso, aplicar com maior periodicidade, conforme orientações do fabricante.

 

Proteção para os menores de 6 meses

 

 

Para os menores de 6 meses não existem opções seguras até o momento. Restam, nesses casos, proteção mecânica (cortinados, telas, mosquiteiros, calça comprida e manga longa) e protetores elétricos de parede a dois metros do berço. Utilizar versões de repelente para tecido em mosquiteiros.

Invista em mosquiteiros e telas para janelas se o número de insetos é muito elevado, e para bebês, cortinados para berço, bebê conforto e carrinho são recomendáveis.

Entre 6 meses e 2 anos, existem atulamente duas opções:  a primeira é o IR3535, com proteção média de 4 horas. No Brasil a opção é a loção Johnson & Johnson, na concentração de 12,5% (o ideal seria concentrações > 20%). A segunda opção é a icaridina. Apresentação a 10% confere de 3 a 5 horas de proteção e a 20% de 8 a 10 horas. Até o momento, parece ser mais eficaz contra o Aedes Aegypti do que o DEET e o IR3535. No Brasil, o nome comercial é o Exposis, que possui, também versão para aplicação em tecidos, que, uma vez aplicado, dura cerca de 72 horas. Atenção ao rótulo: selecione o que vem escrito na frente para maiores de 6 meses!!

 

Repelentes para os maiores de 2 anos

 

DEET: quanto maior a concentração, maior á eficácia, contudo, em crianças, há muita controvérsia sobre qual seria a concentração máxima (entre 10-30% na literatura). No Brasil, a maioria dos repelentes têm concentração < 12%.

Icaridina: seguindo a linha do DEET, quanto maior a concentração, maior a eficácia. Apresentação a 10% confere de 3 a 5 horas de proteção e a 20% de 8 a 10 horas. Até o momento, parece ser mais eficaz contra o Aedes Aegypti do que o DEET e o IR3535. No Brasil, o nome comercial é o Exposis, que possui, também versão para aplicação em tecidos, que, uma vez aplicado, dura cerca de 72 horas. É a medicação de eleição para gestantes.

 Óleos naturais como soja a 2%, citronela e capim-limão são eficazes, porém, como evaporam rápido, têm tempo de ação muito curto.

O uso de vitamina B1, a tiamina, como repelente, carece de mais estudos para sua indicação.

Por serem substâncias potencialmente tóxicas, não aplicar repelentes mais de 3 vezes durante o dia, mesmo para aqueles cuja durabilidade é curta, como 4 horas.

As informações foram baseadas nas orientações passadas pela Sociedade Brasileira de Pediatra e a tabela abaixo extraída do site da sociedade.

 

 

Um abraço!

O que deseja encontrar?

Compartilhe