sarampo

Sarampo: quais são os sintomas e tratamentos?

Sarampo é uma doença infecciosa grave, podendo até levar o paciente à morte. O agente causador desta patologia é um vírus, de alto potencial de transmissibilidade.

Era uma doença considerada erradicada do país pela OMS em 2016. Em 2018, começaram a circulação de novos casos, gerando um surto no país. Em 2019, foram 13.489 casos no Brasil segundo dados do ministério da saúde.

A explicação para esse ressurgimento de uma doença até então controlada, foram os casos importados (de pessoas não residentes no país), assim como a baixa taxa vacinal, apesar de a vacina ser distribuída de forma gratuita nos postos de Saúde.

Como é o contágio e o período de incubação?

O sarampo é transmitido como a gripe, através de contato próximo com indivíduo contaminado, por meios como a tosse, espirro, respiração, fala e mãos contaminadas.

O período de contágio ocorre entre quatro dias antes e quatro dias depois da presença de manchas vermelhas no corpo do paciente. Após um primeiro contato com indivíduo contaminado, os primeiros sintomas surgem em até 10 dias.

Quais são os sintomas do sarampo?

Quando está no estágio inicial, a doença é facilmente confundida com uma gripe, pois o paciente manifesta dor de garganta, tosse seca, fotofobia, conjuntivite, coriza, obstrução nasal e febre acima de 38,5º C. Diarreia também pode ocorrer, apesar de ser menos comum. Esse período recebe o nome de período prodrômico.

No final dessa fase, aparecem lesões específicas do sarampo dentro da boca, chamadas de manchas de Koplik. Pode haver mais de uma lesão, duram de 1 a 3 dias, e desaparecem após o surgimento do exantema (manchinhas vermelhas na pele.

A fase seguinte é a exantemática, que se inicia de 2 a 4 dias após a fase prodrômica.

O exantema do sarampo se caracteriza por pequenas bolinhas elevadas que se iniciam atrás da orelha e, posteriormente se espalham para o rosto. 2 a 3 dias após o surgimento das primeiras lesões, costuma se espalhar para o tronco e os membros.

Essas manchinhas podem durar até 1 semana, e costumam ser seguidas de uma descamação fina da pele.

A febre costuma durar até o terceiro dia após o aparecimento do exantema, e quando persiste após esse período, pode indicar complicações ou gravidade do quadro.

O que fazer quando há suspeita de contaminação?

Quando existe a suspeita de um quadro de sarampo, é imprescindível a adoção de cuidados para que não haja a transmissão da doença. Assim, o isolamento em casa, limpeza de mãos, uso de máscaras e cuidado para não dispersar gotículas com tosse, fala e espirros é imprescindível. A dificuldade é executar essas medidas na faixa etária pediátrica.

Posteriormente, um pediatra, no caso de crianças, ou um clínico geral, no caso de adultos, deve ser procurado para confirmar o diagnóstico. Outra opção é o infectologista.

Quais são as complicações do sarampo?

O sarampo é uma doença que deixa a resistência do doente ruim, o que predispõe a complicações, seja da própria doença, ou complicações bacterianas, como a pneumonia. As crianças menores de 5 anos são particularmente acometidas por complicações.

Por isso é muito importante o acompanhamento seriado para detecção precoce de problemas.

Existe tratamento para o sarampo?

Não existe um tratamento específico para a patologia. O que é feito é o que chamamos de tratamento de suporte, ou seja, tratamos a febre se ela aparece, a desidratação se ela ocorre, corremos atrás do alívio dos sintomas e do controle das complicações.

Existe prevenção?

A vacina é a única medida que funciona para a prevenção do sarampo. Está disponível gratuitamente na rede pública. Chama tríplice viral, por contemplar, além do sarampo, as vacinas de rubéola e caxumba.

O esquema de doses é o seguinte:

Para crianças:

Dose zero entre 6 e 12 meses. Essa dose foi instituída após o surto de 2018, e é considerada uma dose extra.

Primeira dose aos 12 meses

Segunda dose aos 15 meses.

NÃO HÁ NECESSIDADE DE NOVOS REFORÇOS PARA CRIANÇAS COM ESQUEMA VACINAL ACIMA.

Para adultos:

Se recebeu 1 dose apenas até 29 anos, tomar 1 dose adicional

Se nunca tomou a vacina, perdeu o cartão ou não sabe:

  • Entre 1 e 29 anos: tomar 2 doses
  • Entre 30 e 59 anos: tomar 1 dose
  • GESTANTE NÃO PODE RECEBER A VACINA. ESPERAR O NASCIMENTO DO BEBÊ PARA ATUALIZAR O CALENDÁRIO.

Não deixe de vacinar o seu filho e se vacinar para o sarampo caso esteja com as vacinas atrasadas. Sarampo é uma doença que pode matar. Busque a prevenção.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como pediatra em Nova Lima!

O que deseja encontrar?

Compartilhe